Dados provisórios do Comércio Externo, relativos ao mês de Setembro de 2021, indicam um aumento das exportações na ordem de 33,5% relativamente ao mesmo período de 2020, assim como um aumento das importações em (9,2%) face ao mesmo mês de 2020.

Segundo dados revelados hoje pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE), no período em análise, o déficit da balança comercial aumentou 7,7% e a taxa de cobertura cresceu 1,3 pontos percentuais.

Em Setembro de 2021, as exportações de Cabo Verde totalizaram 474 mil contos, correspondendo a um aumento de 119 mil contos (33,5%), face ao mês homólogo.

A Europa continua sendo o principal cliente de Cabo Verde, absorvendo cerca de 98,1% do total das exportações cabo-verdianas, com Espanha a liderar o ranking dos principais clientes (66,2%).

O segundo maior cliente na estrutura das exportações é a Itália (16,3%), seguido de Portugal (6,6%) e os Estados Unidas da América (1,7%).

Conforme o INE, os produtos mais exportados foram os Preparados e conservas de peixes (77,7%), os vestuários (6,8%) e os calçados (6,6%) aumentando 4,6 p.p. em relação ao registado no mesmo mês do ano anterior.

Quanto às importações, o continente europeu continua a ser o principal fornecedor de Cabo Verde, com um peso de 70,8% do montante total, seguido de Ásia/Oceânia (14,1%), América (9,9%), do Resto do Mundo (3,5%) e da África (1,7%).

Portugal lidera entre os fornecedores de Cabo Verde, com 48,1% do total, (0,5 p. p. superior em relação ao mesmo mês do ano anterior), seguido de Espanha, Países Baixos, India e China com respectivamente, (7,7%), (5,8%), (5,5%) e (5,4%) do total das importações.

Os dez principais produtos importados, atingiram 55,8% do montante total das importações de Cabo Verde, contra os 47,5% alcançados por esses mesmos produtos no mês homólogo.

Os produtos mais importados foram os combustíveis (13,4%), reactores e caldeira (7,4%), veículos Automóveis (7,1%), ferro e suas obras (5,3%) e máquinas e motores (4,5%).

As importações por grandes categorias de bens mostram que, no mês de Setembro de 2021, os bens de consumo (36,6%), os bens de capital (20,5%) e os combustíveis (22,9%) evoluíram positivamente em relação ao mesmo mês de 2020. Os bens intermédios (-26,0%) evoluíram negativamente.

Fonte: Expresso das Ilhas