As remessas enviadas pelos emigrantes cabo-verdianos para o arquipélago aumentaram 13,5% no primeiro semestre do ano, face a 2019, para o equivalente a 480 mil euros por dia, segundo cálculos com base num relatório do banco central.

De acordo com um relatório estatístico do Banco de Cabo Verde (BCV), com dados do primeiro semestre de 2020, a que a Lusa teve hoje acesso, os emigrantes cabo-verdianos enviaram remessas no valor de mais de 9.681 milhões de escudos (87,5 milhões de euros).

Este valor compara com os quase 8.531 milhões de escudos (77,1 milhões de euros) de remessas enviadas para Cabo Verde pelos emigrantes nos primeiros seis meses de 2019, segundo dados anteriores do BCV.

Apesar do crescimento nos primeiros seis meses, do primeiro para o segundo trimestre de 2020 registou-se uma quebra de 8,5% no envio de remessas, que passaram de um total superior a 5.055 milhões de escudos (45,7 milhões de euros) de janeiro a março, para 4.626 milhões de escudos (41,8 milhões de euros) de abril a junho.

O valor mensal mais baixo em vários anos registou-se mesmo em abril, pico do confinamento internacional devido à pandemia de covid-19, com apenas 1.177 milhões de escudos (10,6 milhões de euros) em remessas enviadas pelos emigrantes para Cabo Verde.

Cabo Verde conta com cerca de 500 mil habitantes no arquipélago e mais de um milhão na Europa e Estados Unidos da América, estando o sistema financeiro dependente das remessas desses emigrantes.

Tal como em períodos anteriores, Portugal está entre os países de origem com maior volume de remessas, com os emigrantes radicados no país europeu a enviarem para Cabo Verde mais de 2.343 milhões de escudos (21,2 milhões de euros) até junho.

Estima-se que mais de 100 mil cabo-verdianos residam atualmente em Portugal, a segunda maior comunidade na diáspora, logo depois dos 250 mil emigrantes de Cabo Verde nos Estados Unidos.

Os emigrantes cabo-verdianos nos Estados Unidos destronaram Portugal na liderança e enviaram 3.014 milhões de escudos (27,2 milhões de euros) em remessas para o arquipélago nos primeiros seis meses do ano.

Os emigrantes cabo-verdianos enviaram um novo recorde de remessas para o país em 2019, acima de 180 milhões de euros, quase 30% desde Portugal, segundo dados anteriores do BCV.

Os cabo-verdianos em Portugal enviaram 5.679 milhões de escudos (51,5 milhões de euros) em remessas em 2019, um crescimento de 6,7% face ao ano anterior.

Em 2019, globalmente, as remessas dos emigrantes cabo-verdianos cresceram 8,1%, para num novo máximo, de 19.900 milhões de escudos (180,2 milhões de euros).

Em todo o ano de 2018, as remessas cabo-verdianas ultrapassaram os 19.195 milhões de escudos (173,3 milhões de escudos), uma subida de 6% face a 2017, com Portugal a liderar, com 5.675 milhões de escudos (51,2 milhões de euros).