O ritmo de crescimento económico continuou a acelerar no primeiro trimestre de 2022, tendo o indicador registado o valor mais alto dos últimos oito trimestres consecutivos, de acordo com os dados dos Inquéritos de Conjuntura aos Agentes Económicos.

Segundo os dados disponibilizados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o clima de negócios é favorável.

Os dados dos Inquéritos de Conjuntura aos Agentes Económicos apontam que o indicador de confiança no Comércio em estabelecimentos contrariou a tendência ascendente dos últimos trimestres, situando abaixo da média da série.

“A conjuntura no sector é desfavorável. Na opinião dos empresários, a insuficiência da procura, dos preços de venda demasiados elevados foram os principais constrangimentos no sector no trimestre em análise”, lê-se.

Por sua vez, no período em análise, o indicador de confiança no turismo manteve a tendência ascendente dos últimos trimestres, sendo a conjuntura no sector favorável.

Os empresários do ramo apontaram as dificuldades financeiras e a insuficiência da procura como sendo os principais obstáculos no primeiro trimestre de 2022, segundo o INE.

Já na Construção, o indicador de confiança contrariou a tendência descendente do último trimestre, pese embora, situando abaixo da média da série.

O INE afirma que a conjuntura no sector é desfavorável e que os empresários indicaram as dificuldades na obtenção de crédito, excesso de burocracia e insuficiência da procura como sendo os principais constrangimentos do sector no primeiro trimestre de 2022.

Ainda manteve a tendência ascendente dos últimos trimestres o Comércio em Feira, tendo evoluído positivamente relativamente ao mesmo período do ano 2021.

No que tange à Indústria Transformadora, o indicador de confiança registou uma ligeira diminuição relativamente ao trimestre anterior, situando abaixo da média da série.

Segundo os empresários, a falta de matérias-primas e frequentes avarias mecânicas nos equipamentos foram os principais constrangimentos do sector no decorrer do primeiro trimestre 2022.

De acordo com o INE nos Transportes e Serviços Auxiliares, o indicador de confiança inverteu a tendência descendente do último trimestre, registando o valor mais alto dos últimos nove trimestres consecutivos.

“De acordo com os empresários, a insuficiência da procura e a concorrência foram os principais constrangimentos do sector no decorrer do 1º trimestre 2022”, diz o INE.

Fonte: Expresso das Ilhas