O crédito à economia Cabo-verdiana aumentou 6,6% no ano de 2021, para um recorde de 140.050 milhões de Escudos, segundo dados do Banco de Cabo Verde

De acordo com um relatório estatístico deste mês, do BCV, citado pela Agência Lusa, o total do crédito à economia Cabo-verdiana – empréstimos bancários e ‘stock’ de dívida titulada

no mercado primário – situava-se no final de 2020 em mais de 131.310 milhões de Escudos e em 2019, antes da pandemia da Covid-19, era de 126.437 milhões de Escudos.

Face ao período anterior à pandemia (final de 2019), o crédito à economia em Cabo Verde aumentou quase 11% até final de 2021, tendo em conta os dados do BCV.

No final de 2021, 91,5% do total de crédito à economia Cabo-verdiana era relativa a empréstimos dos bancos, no valor de 128.078 milhões de Escudos.

Cabo Verde enfrenta uma profunda crise económica e financeira, decorrente da forte quebra na procura turística – setor que garante 25% do PIB nacional – desde março de 2020, devido à pandemia da Covid-19, tendo lançado desde então várias linhas de crédito com garantia do Estado – de mais de 4.000 milhões de Escudos – para financiar a atividade das empresas, autarquias e famílias.

Essas linhas de crédito, com taxa de juro preferencial até 3% e garantia do Estado até 80%, beneficiaram 633 empresas privadas e “preservaram 13.300 postos de trabalho” durante a pandemia, segundo informação anterior do Ministério das Finanças.

A economia cabo-verdiana cresceu 7% em 2021 e devido às consequências económicas da guerra na Ucrânia o Governo reviu a previsão de crescimento para 2022 dos anteriores 6% para 4%, após uma recessão histórica de 14,8% em 2020, devido à pandemia da Covid-19.

Entretanto, o Plano de Retoma da economia cabo-verdiana no pós-pandemia, recentemente apresentado, prevê mais 82 milhões de Euros de linhas de crédito às empresas, com taxas de juro de até 3,5%, segundo anúncio do Governo.

Este plano governamental prevê, entre várias medidas, que as pequenas empresas obtenham financiamentos individuais de até 25 milhões de Escudos, as médias empresas até 50 milhões de Escudos e as grandes empresas até 100 milhões de Escudos.

Os apoios à retoma da atividade empresarial em Cabo Verde preveem a modalidade da suspensão do pagamento de contribuições sociais por seis meses e a “renegociação desses valores ao sétimo mês”.

Entre outras medidas, o Plano de Retoma prevê novas linhas de crédito com aval do Estado para apoio à tesouraria das empresas, no valor de 2.700 milhões de Escudos, e de 6.300 milhões de Escudos para crédito ao investimento das empresas, totalizando 9.000 milhões de Escudos de novos financiamentos para 2022.

As novas de linhas de crédito lançadas com o Plano de Retoma preveem taxas de juro “não superiores a 3,5%”, um período de carência de capital e juros de mínimo de seis meses, pagamento do capital em até cinco anos para os financiamentos de apoio à tesouraria e até dez anos para os de investimentos.

Está ainda previsto um programa de assistência técnica às micro, pequenas e médias empresas através deste Plano de Retoma, cuja implementação será acompanhada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento do Setor Privado.

Fonte: O País